Por que é proibido criticar a Ucrânia nas redes sociais norte americanas?

A russofobia é lucrativa para redes sociais prestadoras de serviço da CIA…
Impedir que as populações perguntem quem se beneficia de uma guerra por procuração prolongada e quem paga o preço é fundamental. Um sistema de propaganda onde todos pensam igual consegue fazer isso.

Se alguém deseja ser exposto à notícias, informações ou opiniões que contrariem a visão predominante dos EUA/OTAN sobre a guerra na Ucrânia, será necessária uma busca rigorosanos meios de comunicações. E não há garantia de que a pesquisa será bem-sucedida. Isso porque o regime de censura estatal/corporativa que foi imposto no Ocidente em relação a essa guerra é incrivelmente agressivo, rápido, autoritário, cínico e abrangente.
Qualquer agência de notícias pequena, uma plataforma independente ou um cidadão individual está sujeito a ser banido da internet facilmente agora. No início de março, apenas uma semana após a invasão da Ucrânia pela Rússia, os vinte e sete países da União Europeia usou a desculpa da “desinformação” e da “ordem e segurança pública” e proibiu oficialmente os meios de comunicação estatais russos RT e Sputnik de serem ouvidos em qualquer lugar da Europa. No que a Reuters chamou de “uma ação sem precedentes”, todas as plataformas de televisão e mídias on-line foram impedidas por força da lei de transmitir conteúdo desses dois meios. Mesmo antes dessa ordem de censura do estado, o Facebook e o Google já estavam proibindo esses meios, e O Twitter anunciou imediatamente que estaria também em conformidade com a nova lei da UE.


Mas o que era “sem precedentes” há apenas seis semanas agora se tornou comum, até normalizado. Qualquer plataforma dedicada a oferecer notícias embaraçosas para a OTAN ou criticá-la adotando pensamentos diferentes em relação ao conflito, acaba tendo uma vida curta… Menos de duas semanas após o decreto da UE, o Google anunciou que estava banindo voluntariamente todas as mídias afiliadas à Rússia em todo o mundo, o que significa a proibição da Rússia de ter o direito de apresentar a sua versão dos fatos enquanto só se permite os seus inimigos serem ouvidos pelas massas.

Como muitas vezes acontece com a censura da Big Tech(empresas de tecnologia e redes sociais) , grande parte da pressão sobre o Google para fazer o cancelamento do conteúdo russo sobre a guerra na Ucrânia veio por iniciativa própria: “Os funcionários do Google estavam pedindo ao YouTube que tomasse medidas punitivas adicionais contra os canais russos”. O canal é russo, tem que punir!
Tão eficiente e rápido é esse regime de censura que é praticamente impossível contar quantas plataformas, agências e indivíduos foram banidos pelo crime de expressar opiniões consideradas “pró-russas”. Na terça-feira, o Twitter, sem explicação, como de costume, baniu de repente uma das contas dissidentes mais informativas, confiáveis ​​e cuidadosas, chamada “Russians With Attitude”. Criada no final de 2020 por dois russos de língua inglesa, a conta explodiu em popularidade desde o início da guerra, de cerca de 20.000 seguidores antes da invasão para mais de 125.000 pessoas na época em que o Twitter a baniu. Essa conta explodiu em popularidade e pelo menos até agora, pode ser ouvido no Patreon.

O que torna esse boom da censura ocidental tão notável é que há uma fome enorme no Ocidente por notícias e informações confiáveis que são banidas por grandes fontes de notícias padrão, que imitam lealmente sem questionar as alegações do governo norte americano junto à OTAN e de funcionários ucranianos. Como Washington Post reconheceu ao relatar a proibição “sem precedentes” da Big Tech do canal da RT, Sputnik e outras fontes russas de notícias: “Nos primeiros quatro dias da invasão da Ucrânia pela Rússia, a audiência de mais de uma dúzia de canais de propaganda apoiados pelo Estado russo no YouTube atingiu níveis excepcionalmente altos. ”
Observe que esse regime de censura é completamente unilateral e, como sempre, totalmente alinhado com a política externa dos EUA. Os meios de comunicação ocidentais e as plataformas de mídia social foram inundadas com propaganda pró-ucraniana e mentiras descaradas desde o início da guerra. Lembram do blindado “russo” que esmagou um carro antes mesmo da Rússia chegar naquele local com blindados? Pois é…
Um artigo do New York Times do início de março colocou muito delicadamente em sua manchete: “Fato e criação de mitos se misturam na guerra de informação da Ucrânia”. O Axios foi igualmente discreto ao reconhecer este fato: “A desinformação da Ucrânia está se espalhando e não apenas da Rússia”. Membros do Congresso dos EUA espalharam cinicamente invenções que se tornaram virais para milhões de pessoas, sem nenhuma coibição das por parte das corporações do Vale do Silício que estão tão felizes com a censura… Isso não é uma surpresa: todos os participantes da guerra usam desinformação e propaganda para manipular a opinião pública a seu favor, e isso certamente inclui todos os beligerantes diretos e por procuração(quando um país provoca o outro a mando de um terceiro) na guerra na Ucrânia.


No entanto, há pouca ou nenhuma censura nos monopólios do Vale do Silício quando o assunto é desinformação, propaganda e mentiras pró-ucranianas. A censura vai apenas em uma direção: silenciar quaisquer vozes consideradas “pró-russas”, independentemente de espalharem desinformação ou não. A conta do Twitter “Russians With Attitude” tornou-se popular em parte porque também misturava sua defesa à Rússia com críticas disfarçadas entre ela, eles eram mais cuidadosos com fatos e alegações virais que a maioria dos meios de comunicação corporativos dos EUA e em parte porque há uma escassez de meios de comunicação que são dispostos a oferecer qualquer informação que prejudique o que o governo dos EUA e a OTAN querem que você acredite sobre a guerra.
O crime deles, como o crime de tantas outras contas banidas, não foi a desinformação, mas o ceticismo em relação à campanha de propaganda dos EUA/OTAN demonizando os russos. Dito de outra forma, não é a “desinformação” que é combatida, mas sim pontos de vista diferentes que são silenciados. Se é livre para espalhar desinformação desde que seu objetivo seja fortalecer o Partido Democrata norte americano, que exerce seu poder majoritário em Washington para exigir maior censura e que comanda o apoio da maior parte do Vale do Silício). O que é pecado fazer é questionar o quadro de propaganda da OTAN/Ucrânia sem correr o risco muito grande de ser cancelado e banido das redes sociais.


Não surpreende que os monopólios do Vale do Silício exerçam seu poder de censura em total alinhamento com os interesses de política externa do governo dos EUA. Muitos dos principais monopólios de tecnologia como Google e Amazon rotineiramente buscam e obtêm contratos pra lá de lucrativos com as agências de segurança dos EUA, incluindo a CIA e a NSA. Seus altos executivos desfrutam de relacionamentos muito próximos com altos funcionários do Partido Democrata. E os democratas do Congresso repetidamente levaram executivos de tecnologia diante de seus vários comitês para ameaçá-los explicitamente com represálias legais e regulatórias se não censurarem mais de acordo com os objetivos políticos deles.
Mas uma pergunta permanece: por que há tanta urgência em silenciar os pequenos bolsões de vozes dissidentes sobre a guerra na Ucrânia? O que eles buscam abafar? Esta guerra uniu as alas do establishment de ambas as partes e praticamente toda a mídia corporativa com um consenso absoluto não visto desde os dias e semanas após o ataque de 11 de setembro. Tipo a Lava jato do então juiz Sérgio Moro no Brasil de 2016. Pode-se contar nas mãos o número de figuras proeminentes da política e da mídia que tiveram a coragem de discordar, mesmo que minimamente, desse consenso bipartidário de Washington, dissidência que instantaneamente provoca difamação na forma de ataques ao patriotismo e lealdade de alguém. Por que há tanto medo de permitir que essas vozes isoladas e demonizadas sejam ouvidas pela grande mídia?


A resposta parece clara. Os benefícios desta guerra para vários centros de poder importantes de Washington não podem ser exagerados. Os bilhões de dólares em ajuda e armas enviadas pelos EUA para a Ucrânia estão voando tão rápido e de forma tão caótica que é difícil rastrea-lo. “Biden aprova US$ 350 milhões em ajuda militar para a Ucrânia”,disse a Reuters em 26 de fevereiro; “Biden anuncia US$ 800 milhões em ajuda militar para a Ucrânia”, anunciou o The New York Timesem 16 de março; em 30 de março a manchete da NBC dizia: “Ucrânia receberá US$ 500 milhões adicionais em ajuda dos EUA, anuncia Biden”; na terça-feira, a Reuters anunciou: “EUA anunciam US$ 750 milhões a mais em armas para a Ucrânia, dizem autoridades. ” De acordo com o projeto, esses números gigantescos há muito perderam qualquer significado e mal provocam um pio de questionamento. Quem vai pagar toda essa farra com o dinheiro norte americano e europeu?
Não é um mistério quem está se beneficiando dessa orgia de gastos militares. Na terça-feira, a Reuters informou que“o Pentágono receberá líderes dos oito principais fabricantes de armas dos EUA na quarta-feira para discutir a capacidade da indústria de atender às necessidades de armas da Ucrânia se a guerra com a Rússia durar anos”. Entre os participantes desta reunião sobre a necessidade de aumentar a fabricação de armas para alimentar a guerra por procuração na Ucrânia está a Raytheon, que tem a sorte de ter o general aposentado Lloyd Austin como Secretário de Defesa, cargo ao qual ascendeu do Conselho de Administração da Raytheon. É praticamente impossível imaginar um evento mais favorável à indústria de fabricação de armas do que esta guerra na Ucrânia:
A demanda por armas disparou depois que a invasão da Rússia em 24 de fevereiro estimulou as transferências de armas dos EUA e aliados para a Ucrânia.

O reabastecimento e o planejamento de uma guerra mais longa devem ser discutidos na reunião, disseram as fontes à Reuters sob condição de anonimato. . .
Espera-se que o reabastecimento, bem como o planejamento para uma guerra mais longa, seja discutido na reunião. . . . A Casa Branca disse na semana passada que forneceu mais de US$ 1,7 bilhão em assistência de segurança à Ucrânia desde a invasão, incluindo mais de 5000 Javelins e mais de 1400 Stingers.
Esta facção de poder permanente está longe de ser a única a colher os benefícios da lucrativa guerra na Ucrânia e a ter sua fortuna dependente de prolongar a guerra o maior tempo possível. A união do estado de segurança dos EUA, os neocons do Partido Democrata e seus aliados da mídia não têm ido tão alto desde os dias de glória de 2002. Um dos impulsionadores do DNC mais vocais da MSNBC, Chris Hayes, disse que a guerra na Ucrânia revitalizou a fé e confie na CIA e na comunidade de inteligência mais do que em qualquer evento da história recente, merecidamente, disse ele: “As últimas semanas foram como a Guerra do Iraque ao contrário para a inteligência dos EUA. ”Mal se pode ler um grande jornal ou assistir a um noticiário corporativo sem ver o grupo de neoconservadores mais sanguinário do país, David Frum, Bill Kristol, Liz Cheney, Wesley Clark, Anne Applebaum, Adam Kinzinger, sendo celebrados como sábios especialistas e heróicos guerreiros pela liberdade global.


Esta guerra foi realmente muito boa para a classe política e midiática permanente de Washington. E embora tenha sido um tabu por semanas dizer isso, agora está mais do que claro que o único objetivo que os EUA e seus aliados têm quando se trata da guerra na Ucrânia é mantê-la se arrastando pelo maior tempo possível. Não apenas não há esforços diplomáticos americanos sérios para acabar com a guerra, mas o objetivo é garantir que isso não aconteça. Eles agora estão dizendo isso explicitamente, e não é difícil entender o motivo.
Os benefícios do atoleiro sem fim na Ucrânia são tão imensos quanto óbvios. O orçamento militar dispara. A punição é imposta ao arqui-inimigo do Partido Democrata, Putin.

FONTE: https://greenwald.substack.com/p/western-dissent-from-usnato-policy?token=eyJ1c2VyX2lkIjo4MjYzMTA4NCwiXyI6IjVtOWUxIiwiaWF0IjoxNjQ5ODYxODkzLCJleHAiOjE2NDk4NjU0OTMsImlzcyI6InB1Yi0xMjg2NjIiLCJzdWIiOiJwb3N0LXJlYWN0aW9uIn0.pMVQ0eIYv0DTmPMVc8rZHcPsavOrv7GhpK5X9LR6qGU&s=r
AUTOR: Glenn Greenwald
TRADUÇÃO: Google
ADAPTAÇÃO: JavaNunes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


FOFOCAS
JavaNunes · Hetero da TIM - Brasil
JavaNunes · No hospital na sala de putaria
JavaNunes · Vai fazer cocô o dia inteiro e colocar comida pra fora